4 exercícios físicos que podem ser incluídos no treino dos grupos especiais

Pessoas dos grupos especiais têm necessidades específicas e precisam de uma atenção particular, ainda mais quando se trata de atividades físicas. Afinal, nem sempre um exercício que funciona para um grupo funcionará para outro. Exceto por alguns movimentos que acabam sendo frequentemente recomendados e têm aplicação para todos.

Isso se deve à versatilidade e adaptabilidade que alguns desses exercícios para grupos especiais têm. Assim, cada uma dessas exceções pode ter influência no desenvolvimento ou manutenção da resistência aeróbica, flexibilidade articular e força muscular.

Pensando nisso, neste post, conheça 4 exercícios para oferecer a melhor experiência e possibilitar bons resultados aos seus alunos. Entenda que é fundamental garantir várias opções para o praticante, bem como uma boa versatilidade.

1. Musculação

A musculação é considerada uma atividade física universal pelo fato de ser extremamente adaptável a cada praticante, uma vez que a pessoa poderá utilizar um peso que seja confortável e adequado à execução do movimento. Isso vale tanto para levantar poucas gramas quanto alguns quilos, pois cada praticante deve ser estimulado da maneira mais inclusiva.  

Isso, por sua vez, possibilita que praticantes com diferentes capacidades ou limitações consigam ser bem estimuladas. O que desmistifica afirmações de que grávidas, idosos, crianças ou pessoas com deficiência não possam treinar musculação. Até porque, desde que o exercício seja realizado respeitando os limites de cada indivíduo e com acompanhamento técnico, não há impedimentos.  

A exemplo disso, vale a pena observar um levantamento publicado pela Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. Segundo o estudo, a musculação também tem sido indicada e pode trazer benefícios para as gestantes, como:

    • redução do estresse cardiovascular; 
    • aumento da força muscular;
    • aumento da flexibilidade; 
    • melhora do retorno venoso;
    • redução de complicações e dores. 

 

No caso dos idosos, também vale destacar um estudo com 22 mulheres idosas, divididas em dois grupos de 11 (grupo experimental e controle). Nesse caso, observou-se um aumento significativo na força e na flexibilidade no grupo experimental após 16 semanas, sendo 2 dias por semana de treinamento de musculação.

Já para pessoas com deficiência, os resultados dos treinos de musculação também são muito eficientes, uma vez que os estímulos são adaptáveis às capacidades motoras de cada indivíduo.

Tendo em vista esses exemplos, é compreensível que, com adaptação e respeito às limitações individuais, a musculação é muito interessante e pode ser incluída à rotina de treino dos grupos especiais.

2. Aeróbicos leves

Os aeróbicos estimulam a liberação de endorfina, substância que atua como analgésico natural, além de combater estresse, depressão e ansiedade. Por conta disso, além de melhorar a autoestima, otimiza o sistema imune e a qualidade do sono.

Isso ocorre, pois os aeróbicos elevam a capacidade cardíaca e pulmonar para suprir de energia o músculo a partir do consumo do oxigênio. 

Como consequência ao aumento do consumo de oxigênio, o metabolismo necessita de mais energia, ficando mais acelerado. O que também influencia, positivamente, na queima das calorias durante e após o exercício. Sendo muito interessante para combater a obesidade.

Existem diversas formas de praticar os aeróbicos, por exemplo, por meio de exercícios mais prolongados ou mais curtos, como o HIIT. 

Em se tratando dos grupos especiais, a metodologia é a mesma que já citamos com a execução da musculação. É necessário adaptar e trabalhar bem as intensidades e os repousos. Ainda, é somente a partir do respeito às capacidades individuais que é possível montar treinos eficientes.

3. Hidroginástica

Por ser executada no ambiente aquático, a hidroginástica cria resistência aos movimentos sem gerar impactos. Logo, esse tipo de exercício é muito útil para proteger as articulações dos resultados que seriam causados em outro ambiente. O que também permite variações aeróbicas e até combinadas com alguns movimentos que possam fortalecer os músculos.

Ao contrário do que muitos imaginam, a hidroginástica não é apenas interessante para os idosos. Por evitar os impactos, trata-se de um exercício seguro para todos os grupos especiais. Lembrando que não é necessário saber nadar para praticar.

Todavia, a execução desse tipo de exercícios exige um acompanhamento de um preparador especializado. Sem contar nos equipamentos de segurança e um ambiente aquático limpo, organizado e bem controlado.

4. Pilates aparelho

Com o pilates aparelho, o praticante tem o auxílio das molas, da cama, empunhaduras e a própria anatomia. Tudo isso faz com que a execução do exercício seja realizada da melhor forma.

Por ser muito personalizável, o pilates com aparelhos viabiliza uma análise precisa das patologias, necessidades, bem como os objetivos do aluno. O que o torna um verdadeiro coringa dos exercícios físicos para grupos especiais.

O repertório dos aparelhos é bastante diversificado e pode ser segmentado em exercícios específicos de:

  • alongamento; 
  • mobilidade de coluna;
  • membros inferiores;  
  • membros superiores;
  • abdominais; 
  • vários grupos musculares.

Agora que você conheceu ótimos exercícios físicos para grupos especiais, faça uso disso e melhore ainda mais a sua capacidade de prescrever treinos. 

O Instituto Valorize tem vários cursos úteis e essenciais para a formação de treinadores que trabalham com alunos dos grupos especiais. Por isso, não perca tempo e amplie o quanto antes a sua capacidade de análise e de prescrição de atividades físicas.

Deixar um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.